sábado, 2 de novembro de 2013


Este sistema político falhou e o sistema económico está podre,só falta saber a forma de sair disto.Fazer um golpe e colocar tropas na rua é relativamente fácil(desde que haja vontade de alguns oficiais)o pior é depois como se viu em 1974,uns iam para a esquerda e outros para a direita,e os problemas aumentaram em vez de se reduzirem.Agora fazer uma Revolução a sério já envolve uma estratégia e um projecto viável(nem fascista nem social-fascista) para o país.Um projecto alternativo ao euro(não podemos esperar pelo BCE que o sr Seguro espera)e alternativo aos mercados(não podemos acreditar nos agiotas que criaram a crise de 2008).Há alguém a trabalhar nesse projecto??


do discurso de Spinola(o tal da maioria silenciosa)em 10 de Setembro de 1974,eis aqui: " A maioria silenciosa do Povo Português terá,pois,de despertar e de se defender activamente dos totalitarismos e extremismos que se degladiam na sombra,servindo-se das técnicas bem conhecidas de manipulação de massas para conduzir e condicionar a emotividade e o comportamento de um povo perplexo e confuso por meio século de obscurantismo político.Mas a consentir-se um clima anárquico de reivindicação incontrolada,em nítida ultrapassagem das responsabilidades aos diversos níveis e em clara usurpação de direitos alheios,o País mergulhará no caos económico e social,que só a sectores minoritários poderão aproveitar.
É chegado o momento do País acordar para a realidade que somos,para o que queremos ser e para o futuro de anarquia a que nos querem conduzir certos inspiradores políticos."


"A primeira lição do processo português é que o Exército,a defesa tradicional dos valores e da fronteira territorial da Nação,pode ser um instrumento mortal,quando está manipulado por um grupo selecto de militares politizados por uma ideologia anti-nacional.
 Para os países Ocidentais a saída parece ser a politização das forças armadas,seguindo o exemplo do que se fez na URSS e no império asiático-europeu.
 Não são necessários os comissários políticos,mas é indispensável uma formação adequada no campo político-ideológico de modo a preparar as tropas para a sua função específica: defender a Nação contra todos os inimigos; internos e externos.
 Loureiro dos Santos está errado quando afirma que as FA servem para defender a "democracia".Mas o que é esse regime?É o País que conhecemos ou a oligarquia que tomou conta dele?É uma coisa que passará sobre montes de ossos e ninguém estará disposto a morrer por tamanha mentira.
 Há algo que nunca devemos esquecer: com gritos de "Viva Portugal" e de "Viva a Liberdade",e ainda com o "Povo Unido jamais será vencido" destruiu-se Portugal e a liberdade de viver independentemente.
Trata-se esta,da grande lição de Lisboa,que diz respeito ao oportunismo,à bancarrota,à traição e por fim,à vil vida que ficámos condenados a viver,sem direito a queixas porque foi um povo sem memória,deseducado,imbecilizado,que bateu palmas ao fim de si mesmo.E que ainda não aprendeu nada,o que é o mais grave.
Não escrevo,como é óbvio,senão para avivar memórias que para alguns são dolorosas.A Rua já não se lembra de nada e pensa que tudo começou agora com a nova oligarquia para quem dirige a sua ira.
Esqueceram-se obviamente que herdaram um país com finanças equilibradas,sem dívidas,sem necessidade de ir cabeça baixa falar ao senhor Hollande e à senhora Merkel,os melhores representantes do dominante eixo dos senhores de Berlin/Paris.O povo perdeu a liberdade,mas nem deu por isso."

António Marques Bessa in Portugal - Tempo de Todos os Perigos

http://causadasregras.com/?product=portugal-tempo-de-todos-os-perigos

http://visao.sapo.pt/divida-publica-uma-heranca-incontrolavel=f780018

6 comentários:

  1. Li há uns anos "O admirável mundo novo" deste autor inglês livro de que gostei bastante.O sistema capitalista sustentou-se sempre nesta permissa, mas as crises dão sempre uma machadada no que se tem como adquirido e vem ao de cima o que de mais ruim tem o sistema, como se pode ver agora que os mais pobres ficam mais pobres ainda, enquanto que os mais ricos ainda arrecadam mais fortuna...
    Abraço do Zé (também sem qualquer filiação partidária)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O sistema capitalista actual é um misto de capitalismo e socialismo o qual não serve o povo em geral mas sim os grandes tubarões e seus empregados.No entanto a alternativa proposta em 1974 cá era destruir tudo que era anterior e criar uma sociedade marxista pró soviética,a crise de hoje começou aí.

      Eliminar
  2. Mario as pessoas em geral ainda não entenderam o que significa a UE,ainda estão a ressacar dos fundos europeus mas deixa-os poisar mais um pouco na realidade que ainda vai piorar e com mais alguma dose de miséria e austeridade eles vão abrir a pestana(talvez demasiado tarde como sempre neste país,infelizmente).
    há 9 minutos · Gosto · 1

    Mario Ponti Eu sei, Martim. Infelzmente. Estou perfeitamente consciente. O que é logico. Apos tantas decadas de manipulaçao mental. Mas queria mesmo evitar o caos. E se a populaçao tivesse consciencia, amanha de manha levantaria-se para deitar a UE abaixo. Pena, termos de ir até ao limite do inferno para as pessoas perceberem, enfim; Mas serà tarde demais. (Com a uniao sovietica passou-se o mesmo.)
    há 7 minutos · Não gosto · 1

    Martim Moniz E eu não culpo tanto as pessoas(há várias razões para andarem confusos)mas as elites que sempre traem este povo tal como o disse Sá Carneiro.Uns são coniventes porque ganham com isso pela corrupção etc,outros porque estão instalados e não se querem «chatear» pois ainda ganham para comentar na tv e jornais,outros porque não se querem meter no fogo e preferem ficar na sombra a tratar das vidinhas.E acima de tudo temos as instituições que existem para supostamente defender a nação e até juram a constituição,mas depois o que vemos?Apenas defendem suas carreiras e interesses corporativos(e não digo que não tenham razões)esquecendo que o país é todo um povo e que sem esse povo não vai haver nada sobre o qual possam fazer juramento.

    ResponderEliminar
  3. Agora temos os herdeiros deste ditador bacoco ,
    finalmente 40 anos depois da viragem histórica que foi o 25 de Abril , a
    tomarem alento , já salivando que nem cães de pavlov ainda antes do soar da
    campainha .O que se passou no fim da 1ª Republica foi o mesmo que
    se está a passar agora . Na tentativa de passar de uma sociedade feudal
    monárquica para uma república , esvaiu-se as finanças do estado , abriu-se
    as portas à corrupção sem nunca se semear os trunfos que poderiam ter
    resultado numa república rica e equilibrada e com poder tecnológico e
    industrial . A republica ruiu e criou no seu estretor as condições para o
    surgimento do paizinho botas que tudo arranjou nas finanças , para os
    mesmos de sempre e a nação hibernou em aventuras colonialistas e na
    miséria descalça e ignorante do povo . Em Abril tínhamos a oportunidade
    renovada de construir uma sociedade mais justa baseada numa constituição
    socialista , inovadora na Europa , mas rapidamente essa democracia se
    aburguesou primeiro , timidamente , os antigos donos voltaram , depois à
    descarada , a partir de 25 de Novembro . Chegaram e venderam a ideia que o
    povo poderá viver bem se se endividar , que o país pode parecer rico se fizer
    muitas PPPs . Uns gamaram mais do que outros como os bandidos da
    banca e dos seguros e , com a corrupção como muleta infiltrando todos os
    sectores do estado foram criando novamente as condições para o surgimento
    de outro botas . e Muito do que se passa na actual sociedade Portuguesa
    são sequelas do obscurantismo e isolacionismo do estado novo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho a ideia que a última real oportunidade de termos um regime decente foi no tempo de Delgado http://www.vidaslusofonas.pt/humberto_delgado.htm pois tudo o resto teria sido evitado(o 25 de abril e tudo associado)e hoje seria bem melhor a nossa situação.Tudo o mais são ideologias estrangeiras e nocivas aos nossos interesses e coesão nacional,como se pode comprovar hoje.

      Eliminar